domingo, 23 de dezembro de 2012

Querido Papai Noel


Depois de muitos anos, volto a lhe escrever para lhe fazer alguns pedidos especiais, visto que a coisa anda difícil.
Primeiro gostaria que o senhor trouxesse nessa noite de natal o sentimento de amor e harmonia para todos. A falta de respeito anda grande, e com isso, o aumento da violência. As pessoas estão cada vez mais egoístas, não se importando se machucam ou não o outro.
Também peço que recolhas junto com os bicos das crianças a inveja dos adultos. O sol existe para todos que o buscam, e já ficou comprovado que o dinheiro em si não trás felicidade, e sim a forma como você o utiliza. Então que as pessoas busquem como objetivo aquilo que aqueça o seu coração e não o que o outro tem.
Consciência política é outro presente necessário. O povo precisa aprender a votar melhor, e quem se candidata precisa ser um espelho do senhor, alguém que busque a felicidade da nação. Não precisamos de cotas, precisamos de boas escolas. Não precisamos de bolsas, e sim de pessoas que sejam preparadas para um mercado tão amplo e cada vez mais carente de mão-de-obra.
Sei que os meus pedidos são grandes, talvez impossíveis, mas não posso deixar de tentar, principalmente quando ainda vejo tantas pessoas tentando fazer o bem e se doando mesmo para quem não conhecem. Para elas, desejo que o senhor traga uma dose extra de amor e esperança, pois precisamos que elas se multipliquem.
Obrigada Papai Noel pelo presente antecipado que me destes, e que me faz lhe pedir essas coisas tão simples e difíceis. Que a sua noite seja tão especial quanto a minha, para que consigas realizar pelo menos um dos meus desejos.

Feliz Natal

domingo, 16 de dezembro de 2012

As Aventuras de Pi



Novo convite do Clube do Assinante da Zero Hora e confesso que aceitei mais pela curiosidade de assistir um filme 3D e ver se era possível usar óculos sob óculos. Mas o que eu encontrei foi uma adorável surpresa.
 
As Aventuras de Pi me surpreendeu por ser uma história linda, que fala sobre Deus de uma maneira simples e delicada em meio a uma tragédia. Baseado no livro A vida de Pi de de Yann Martel, ele conta a história de Piscine, um menino que cresce em um zoológico em Pondicherry e quando está vivendo o primeiro amor, tem a sua modificada pela decisão do pai de vender todos os animais e ir para o Canadá. No caminho o cargueiro afunda, e no bote salva vidas ficam Pi, uma zebra, um orangotango, uma hiena e um tigre de bengala. O resto, só indo ao cinema para assistir.
 
Creio que não deve haver muita diferença em assistir ele sem ser 3D, e talvez tenha momentos que o telespectador ache a história um pouco parada, mas não desista, a delicadeza com que são colocados os questionamentos e experiências de Pi são alimentos para a alma. Não é uma história religiosa, mas uma história de fé, de acreditar e tentar, mesmo nas piores situações, ver um lado bom sem o exagero de uma Pollyana.
 
Um filme para guardar no coração e relembrar tanto nos momentos de problemas bestas quanto nos complicados.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Minha decepção musical de 2012


 
Fazia anos que eu não tinha um ano assim, cheio de revelações que me partem o coração e alimentam a minha desconfiança. Não que tenha sido um ano ruim, pelo contrário, também realizei sonhos e estou inclusive vivendo um, mas o que isso tem haver com o título deste post?
Desde a minha pré-adolescência eu sonhava em ver um show da rainha da música pop Madonna. Álbuns de fotos, discos, fitas, cd’s, pôsteres, enfim, tudo o que envolvia a diva despertava o meu interesse. E ao ver pela tela da televisão shows como Blonde Ambition e The Girlie Show me instigavam a estar lá, na primeira fila.
Anos literalmente se passaram e ela veio a Porto Alegre. Despedida do Olímpico Monumental. Dois acontecimentos marcantes, duas paixões, e o desespero para conseguir o ingresso. Mas não deu. Juntei daqui e dali e tinha o suficiente para comprar direto, sem intermediários, mas eles haviam acabado e aquela famosa frase de padaria me veio à cabeça ”O sonho acabou”.
Mas como já previa o meu marido, em uma promoção, acabei faturando ingressos de pista simples. Assim, dia 09 de dezembro lá estava eu exibida com a minha barriga comprando uma camiseta XL com foto da minha ídola mor.
Só que a bela resolveu atrasar quase 4 horas, e para quem estava acomodada lá no cantinho seguro do fundão, foi possível observar o quanto de energia do público se perdeu. Playback escancarado, e a desculpa de um resfriado, Madonna não empolgou aqueles que foram vencidos pelo cansaço, pois ela mesma parecia estar ali por estar.
Depois de mais de 20 anos esperando para pisar no mesmo local da rainha da música, acabei saindo durante uma das músicas que mais gosto: Like a prayer. A dor nas pernas, costas e barriga, somado ao desrespeito pelos fãs (e neste caso sou obrigada a dizer a Madonna que Lady Gaga realmente não é ela, pois esta última não deixou os seus monstros gaúchos esperando), fizeram toda a paixão que resistiu a juventude e boa parte da idade adulta esfriar.
Brinco que só não fiquei furiosa por que não gastei com o ingresso, embora o valor do estacionamento e do cachorro quente com salsicha fria tenha sido um roubo, pois se eu houvesse gasto o valor da pista Premium por menos de duas horas de um espetáculo onde o astro principal era o palco, com certeza teria ficado ainda mais desapontada.
Fico então com a Madonna da década de 80 e 90, cheia de atitude, energia, fôlego e carisma. Às vezes admirar a distância faz mais bem.

sábado, 1 de dezembro de 2012

Filme: Os Penetras

A convite do Clube do Assinante da Zero Hora fui assistir na última quarta-feira (28/11) a pré-estreia do filme brasileiro “Os Penetras”. A comédia é dirigida pelo Andrucha Waddington (o mesmo do excelente Eu Tu Eles) e tem como atores principais Marcelo Adnet e Eduardo Sterblitch.
 
Eduardo é Beto, um cara sem noção, que anda com a carteira cheia de dinheiro, e está tentando recuperar o amor de Laura. Ao ser retirado pelos seguranças do hotel onde o objeto de sua obsessão se encontra, ele tenta o suicídio.
Quem salva o maluco é Marco Polo (Marcelo Adnet) que junto com o seu amigo Nelson (Stepan Nercessian) gosta de invadir as festas da elite da sociedade carioca e vive de aplicar pequenos golpes.  Ao ver a ingenuidade e o dinheiro de Beto, aceita ir conversar com a amada do rapaz, mas ao conhecer Laura (Mariana Ximenes) e ter uma rápida transa com ela, vai o encontro do novo amigo sabendo que ela é uma garota de programa e que também está apaixonado  pela loira.
 
A história é fútil e não acrescenta nada ao conhecimento do expectador, mas ao mesmo tempo é divertida e relaxante, sendo a indicação perfeita para quem deseja um tempinho para desestressar.
Apesar de achar que o personagem Beto poderia se chamar César Polvilho ou Freddy Mercury Prateado (pois Eduardo não inova na interpretação), ele, juntamente com Marcelo e Stepan, garantem sequencias de boas risadas e no final do filme a chance de haver um sorriso no rosto é grande (uma dica: não levante logo após começar a subir as letrinhas).
 
Um filme para não julgar, apenas se divertir.

domingo, 18 de novembro de 2012

Do melhor ao pior


Paris oferece mil e uma coisas para os seus turistas se alimentarem. No primeiro dia, me apaixonei pelas máquinas do Mcdonalds, onde é possível fazer o seu pedido, pagar e só ir ao balcão retirar, sem precisar falar nada em francês. Além disso, os wraps e sorvetes são muito bons.
Também encontrei uma massa quatro queijos expressa que é divina, pena que não guardei o cupom com o nome do lugar, apenas me lembro de que suas placas eram verdes e havia um bem perto do hotel.
No Louvre também há excelentes opções, eu optei por uma pizza que dava direito a uma sobremesa (informo que é o lugar preferido da gurizada), mas muito prático para quem quer entrar logo no museu ou passear por suas lojas.
O traumático pra mim foi a janta de despedida que juntou todos os que participavam do tour. Só de me lembrar do prato, meu estomago fica embrulhado.  O dito era uma carne de pato marinado no próprio sangue com lentilha. Para desagrado dos garçons, a maioria dos pratos retornou quase intactos.
Eu quis bancar a corajosa (devido à fome que sentia) e cheguei a dar 3 garfadas, o gosto é enjoativo, e ao retornar para o hotel, acabei colocando tudo para fora. O que não foi nada agradável, já que às 6 horas saia o meu avião.
Então a minha única sugestão é: cuidado com os pratos exóticos. Se você for muito sensível, não vale a pena nem olhar.

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Ajudando Claudia Tajes a completar uma história


Ganhar promoções que envolvam livros já é bom. Agora ganhar uma promoção em que você finaliza a história iniciada por uma das suas autoras favoritas é simplesmente maravilhoso.
Pois foi o que aconteceu comigo em uma promoção feita pela Zero Hora durante a feira do livro.

Aos que quiserem ver a história completa, clique aqui.

sábado, 3 de novembro de 2012

O Hotel de Paris


Antes de viajar, peguei a lista de hotel em que iriamos ficar e resolvi verificar a opinião que os hóspedes davam a eles. Por isso já estava preparada para o que encontraríamos em Paris.
Ficamos no Novotel Tour Eiffel. Como o nome sugere, ele ficava bem perto da velha senhora. Parecido com um pombal, externamente só aparecem as janelas do quarto. O café da manhã é bom, yogurtes, frutas, pães e sucos fazem parte do cardápio.
 

Além disso, oferece wi-fi e tem um atendente que fala português, o que foi ótimo para tirar dúvidas como onde comer na primeira noite.
O único problema é a sujeira. Algo nítido nos quartos, mas pelo qual eu já estava preparada psicologicamente e já havia avisado o Marco.
 

De todos os hotéis, este era o mais simples, mas pelo que eu havia lido sobre estadia na cidade iluminada, um dos melhores. Então posso dizer que, apesar de não ser o the best of, também não dá para se queixar tanto assim.

segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Na Estrada


Ao viajar pelas estradas da Europa, uma coisa bem comum de encontrar (e de almoçar) são os AutoGrill e similares. Separados em áreas, pode-se encontrar chocolates, livros, revistas, óculos, brinquedos, temperos, maquiagens, tudo a um preço bem amigável.
Nas lanchonetes, sanduíches e salgados apetitosos. Nos restaurantes, saladas, pasta, risoto, sobremesa, entre outros.
Para nós, eles foram extremamente úteis, pois foi graças às compras realizadas ainda na Itália que não tivemos a necessidade de trocar euros por marco suíço na nossa rápida passagem por Lucerna.
Fique atenta a promoção de chocolate: Kit Kat e Toblerone com preços inacreditáveis se comparados aos do Brasil.

sábado, 13 de outubro de 2012

Desconfie de quem não tem amigos


Li esta frase há pouco tempo, como post de alguém no facebook. E, por uma experiência vivida recentemente, conclui que é um sábio conselho.
 
Conheci uma criatura há tempo atrás. Ombros curvados, pés arrastados. Discurso de quem está sempre disposto a ajudar. Olhar de quem esconde segredos. Após três dias seguidos conversando com a mesma pessoa, declarava o seu amor ou adoração.
 
Um dia me disse “não tenho amigos”, a causa do abandono? Motivos estéticos, justificou ele. Mas na correria do dia-a-dia, pensei que era apenas um exagero, carência, forma de chamar a atenção.
 
O tempo me mostrou que era um chantagista emocional. Te elogiava pela frente e fazia fofocas maldosas (quando não mentirosas) pelas tuas costas. Seu desejo não era ter amigos, mas manipular os que estavam a sua volta para ter atendido os seus próprios desejos, todos alimentados por uma imensa inveja e complexidade.
 
Só que ter amigos não é ter fantoches. E o verbo a ser conjugado não é o ter, e sim o ser.
 
Ser amigo é saber escutar o outro, dividir segredos e dúvidas, dar conselhos sem tentar impedir que aquela pessoa viva as próprias desventuras. Ser amigo é emprestar o ombro para chorar, compartilhar gargalhadas, ou até mesmo uma pizza numa hora extra de trabalho. Ficar horas no telefone ou a tarde sentado em uma praça falando só de filme, futebol e novela.
 
Amizade verdadeira não é corroída pela inveja, e sim alimentada pelo orgulho de ver o amigo vitorioso. Não é tentar gerar fofoca para separar outros amigos, e sim saber dividir o espaço para conquistar o seu.
 
E por não respeitar estes princípios, que a criatura do início deste texto acabava sozinha. Naturalmente o caso é extremo, de alguém que precisa de tratamento. Mas não deixou de ser um exemplo, para os que estiveram próximos e se libertaram de suas amarras, do que é realmente uma amizade.

sábado, 6 de outubro de 2012

Jantar e bunker no hotel de Dijon

 
Foi no hotel de Dijon que realizei uma das melhores refeições da viagem. O jantar oferecido foi divino. A entrada era uma sopa, eu, detesto sopa, mas me obriguei a provar e simplesmente amei. O prato seguinte foi um maravilhoso salmão e para fechar o melhor tiramisu que já provei.

 
O quaro era confortável como todos os que encontramos no caminho. O único detalhe curioso era o fato do vaso sanitário ficar separado do chuveiro e da pia, em uma peça separada, sem janela, como se fosse um bunker.

 
Confesso que o local não é dos mais agradáveis, já que pelo tamanho também pode ser confundido por uma sanitária. Também não achei muito higiênico, para os esquecidos, uma ótima maneira de não lavar as mãos.

 
O café bem servido e wi-fi para os hospedes. Um lugar tranqüilo de se dormir, combinando perfeitamente com a cidade.

 

Hotel Mercure Dijon Centre Clemencea
22 Boulevard de Marne; Dijon
  

terça-feira, 11 de setembro de 2012

O mico da viagem

Na chegada ao hotel Radisson Blu Luzern, passamos pelo procedimento padrão, o guia entregou os nossos cartões e nos dirigimos aos elevadores. Havia dois. Estávamos juntos no primeiro grupo e entramos. Apertamos os botões e nada. Saímos todos e o mesmo estava acontecendo com o grupo que havia entrado no elevador ao lado.


Nisso um dos presentes observou um buraco e inseriu o seu cartão, neste momento o elevador habilitou automaticamente o andar do seu quarto. Inevitável todos caírem na risada. Pois parecíamos os chineses entrando e saindo em grupo das lojas, no nosso caso, do elevador. Para amenizar o mico, não havia nada indicando a necessidade de inserir o cartão. Mas desfeito o mistério, finalmente pudemos descansar.



Seguindo o padrão dos hotéis, o de Lucerna também era muito confortável, mesmo sem ter os mimos dos dois últimos. O que causou mais estranhamento foi o café da manhã, pois o cardápio era tipicamente oriental. Mas sempre há um yogurte para salvar quem vem dos trópicos.

sábado, 8 de setembro de 2012

Almoço suiço: Gramado e mamãe são melhores


Em território suíço, subimos o monte Rigi, após uma caminhada, fomos direcionado a um restaurante típico para almoçar fondue de queijo. Primeiro susto: o valor das bebidas. Uma coca zero custava cinco euros.

O atendimento foi péssimo, creio que o pior de todos na viagem. De entrada o próprio fondue de queijo, onde o único item fornecido para acompanhamento era um pão (ponto para Gramado e sua sequência de fondue que é bem melhor do que o suíço). Como o garçom esqueceu de colocar a peça para desligar o fogo, logo o restinho estava queimando e o cheiro infestando o lugar, só vindo buscar quando colocamos a panelinha em outra mesa (eles podem ter o mau humor alemão, mas nós temos o jeitinho brasileiro).

Depois do queijo cheiroso, foi servido um prato com uma espécie de mursilha (com um tamanho um tanto obsceno) e de sobremesa um bolo de chocolate que só serviu para sentir saudade da nega maluca da minha mãe.

Mas como tínhamos uma paisagem linda e os resquícios das nossas compras no Auto Grill italiano. Aliás, foi o Auto Grill e o café no hotel de Milano que salvou o nosso estômago na nossa rápida estadia em Lucerna.

quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Hotel em Milão

Em um primeiro momento o quarto do Milano Hotel pode causar estranhamento. Em tom escuro, o visual moderno te faz pensar em um local masculino. Mas em relação a conforto, não deixa nada a desejar em comparação ao Hilton.


Bebida liberada no frigobar, produtos especiais no banheiro, café da manhã bem sortido e wi-fi tornam a estadia muito agradável. Não sei como fica a questão de localização, já que dormimos e logo cedo já fomos para outro lugar, mas era perto de uma estação de trem, o que deve facilitar e muito o deslocamento de quem por lá estiver.

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

A melhor pizza da Itália

Foi em Milão que comi a melhor pizza da Itália. Infelizmente não comi em Nápoles. Mas essa já me fez muito feliz. Em uma pizzaria próxima ao hotel, conseguimos jantar ali após garantir que iríamos sair antes das 21 horas, pois havia muitas reservas para este horário. Mas era apenas 19 horas e estávamos loucos de fome, portanto, duas horas eram mais do que suficiente.


A pizza não era vendida inteira, e sim por fatias, que custam a partir de 3.50 euros. Mas a fatia equivale a umas três nossas. Colocada no forno a lenha, com muito queijo, ela é simplesmente maravilhosa.

Recomendo e muito para quem for ficar hospedado próximo no Milano Hotel na Via Tazzoli. Infelizmente não guardei o nome, mas para quem sai do Milano, ela fica bem próxima, umas duas quadras se não me engano.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Verona além de Julieta

Para os fãs de William Shakespeare, é a terra onde Romeu e Julieta viveram a história de amor mais famosa de todos os tempos. Mas saindo do balcão de Julieta, iremos nos deparar com uma estátua de Garibaldi (figura mais do que conhecida entre os gaúchos) e com a Arena, um anfiteatro semelhante ao Coliseu, só que mais bem conservado, e hoje utilizado para eventos. Mas estes são apenas alguns exemplos das riquezas visuais que Verona oferece.





Vale a pena caminhar pela cidade, seus prédios pequenos, árvores antigas e praças abraçam o turista em sua atmosfera caseira e romântica. Para as mulheres, vale a pena também dar uma espiadinha nas lojas, enquanto os homens aproveitam para tomar um café em uma das aconchegantes cafeterias.


quarta-feira, 8 de agosto de 2012

O que comprar em Veneza


 Além de linda, charmosa e romântica, Veneza tem itens muito legais de comprar.

Para quem tiver a oportunidade de conhecer a fábrica dos vidros de murano, existe a opção por vasos, porta-retratos, taças, entre outros itens. Todos lindos e por preços acessíveis, principalmente se comparado aos preços das lojas brasileiras que vendem produtos similares. Não é necessário ficar preocupado com o transporte, o pessoal da fábrica está preparado para atender turistas (inclusive existe atendente brasileiro) e as peças são muito bem embaladas.

Os berloques para pulseiras também valem muito a pena, por 15 euros, em média, é possível levar uma peça (lembrando que eles chegam a custar 150,00 reais em algumas joalherias brasileiras).

Uma peça que eu adorei, mas acabei não trazendo devido ao tamanho, foram as máscaras. Pintadas ora com cores vivas, ora com cores sombrias, as máscaras brincam com o imaginário, te fazendo voltar rapidamente ao tempo dos bailes em que vários segredos e amores eram protegidos por elas.

Nas barraquinhas a muitas camisetas, moletons, bonés, chaveiros e outros itens que utilizam a imagem da cidade em objetos que podem servir de lembrança ou de presente. Ou até mesmo salvar algum turista que iniciou o dia com sol e calor e se viu surpreendido por chuva e frio.

Em Veneza também nos deparamos com uma loja da Ferrari, que curiosamente, possuía mais pelas que a que encontramos em Milão. Neste caso, o valor é mais salgado, um chaveiro pode custar em torno de 20 euros, uma camiseta em média 45,00 euros e uma linda jaqueta vermelha em torno de 170 euros.

Enfim, não existe desculpa para voltar de mãos abanando.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Veneza – Cuidados na hora do lanche

Para se alimentar em Veneza, um item pode ter vários preços. Se você comprar e levar, ele custa x. Se você comprar e se sentar no local escolhido na parte interna, ele custa x + y. Se você comprar e sentar na parte externa do local escolhido, ele vai custar x * z.

Não é brincadeira, realmente existe diferença entre se comer em pé ou sentado. E isto é tão lucrativo, que é difícil ficar muito tempo sentado em uma escada pública, mesmo quando não há movimento, pois sempre parece um guarda para dizer que não é permitido sentar ali.

Na área da Praça de São Marco os valores podem ser ainda mais caros, na tradicional cafeteria do local, tomar um café em uma das mesas externas na rua pode sair por mais de 20 euros, visto que eles têm uma pequena orquestra tocando para os clientes.

Para quem quer economizar, os saborosos paninis e outros sanduiches também são encontrados em Veneza, por um preço médio de 5 euros, assim como o delicioso sorvete italiano, preço médio de 3 euros.

Existem também restaurantes espalhados pela cidade, como o do Hotel Danielle, como optamos por lanche (já que teríamos janta à noite), não sei dizer qual a média de preço, mas se em Roma um casal gastava em média 30 euros, imagino que eu Veneza deve ser em média 40.

Mas como em todas as cidades visitadas, existem opções para todos os gostos e bolsos.

sábado, 4 de agosto de 2012

Acessórios vibrantes


A nova coleção da Louis Vuitton , conforme divulgação da própria marca, é o resultado da colaboração de Marc Jacobs e de Yayoi Kusama.

Com cores fortes, pode-se dizer que há bolsas, sapatos e acessórios para todos os gostos. A seguir, os meus favoritos. Quem quiser ver mais, pode aco link original aqui.




 

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

O Hotel em Veneza

Em Veneza nos deparamos com o melhor hotel de todos. O Hilton faz jus à fama e oferece todo o conforto aos hospedes. No quarto, além de duas camas de casal para lá de confortáveis, água de boas vindas, internet liberada e no banheiro um kit neutrogena.
No quarto também havia um balde para pegar gelo na máquina que ficava no corredor. Além disso, era possível tomar chá e café, graças à cafeteira elétrica.
O café delicioso, assim como a janta. O tipo de lugar que não se tem um A para falar. Talvez o único problema seja ser fora da parte principal de Veneza, o que me deixou com a curiosidade de ver a cidade no turno da noite.







quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Tudo de novo, de novo

Quando comecei o blog, queria uma motivação extra para emagrecer. Fazendo por conta a minha reeducação alimentar, com uma carga intensa de exercício, consegui em novembro de 2011 chegar ao meu grande objetivo: voltar aos 47 quilos.

Mas 2012 me trouxe um conjunto de fatores, que para o meu corpo, não foram nada positivos. E a combinação pão + corticoide me fez ganhar nada mais nada menos do que 13 quilos.

Então agosto é o mês do basta. Antes que eu continue nesta escala que evolui assustadoramente, voltei para a academia e a cuidar o que como. Naturalmente, os primeiros dias não são fáceis. Neste segundo dia estou com o corpo moído e sentindo o eco da fome que senti ontem à noite.

Ainda tenho deslizes, como a fatia de pudim que comi de sobremesa na hora do almoço, mas o pão da noite foi definitivamente para fora do cardápio.

Meu objetivo é chegar no dia 01 de janeiro de 2013 com 55 quilos. Então é boca fechada e corpo em movimento.

* Foto retirada do site: http://blogamos.com/erros-da-dieta