segunda-feira, 22 de outubro de 2012

Na Estrada


Ao viajar pelas estradas da Europa, uma coisa bem comum de encontrar (e de almoçar) são os AutoGrill e similares. Separados em áreas, pode-se encontrar chocolates, livros, revistas, óculos, brinquedos, temperos, maquiagens, tudo a um preço bem amigável.
Nas lanchonetes, sanduíches e salgados apetitosos. Nos restaurantes, saladas, pasta, risoto, sobremesa, entre outros.
Para nós, eles foram extremamente úteis, pois foi graças às compras realizadas ainda na Itália que não tivemos a necessidade de trocar euros por marco suíço na nossa rápida passagem por Lucerna.
Fique atenta a promoção de chocolate: Kit Kat e Toblerone com preços inacreditáveis se comparados aos do Brasil.

sábado, 13 de outubro de 2012

Desconfie de quem não tem amigos


Li esta frase há pouco tempo, como post de alguém no facebook. E, por uma experiência vivida recentemente, conclui que é um sábio conselho.
 
Conheci uma criatura há tempo atrás. Ombros curvados, pés arrastados. Discurso de quem está sempre disposto a ajudar. Olhar de quem esconde segredos. Após três dias seguidos conversando com a mesma pessoa, declarava o seu amor ou adoração.
 
Um dia me disse “não tenho amigos”, a causa do abandono? Motivos estéticos, justificou ele. Mas na correria do dia-a-dia, pensei que era apenas um exagero, carência, forma de chamar a atenção.
 
O tempo me mostrou que era um chantagista emocional. Te elogiava pela frente e fazia fofocas maldosas (quando não mentirosas) pelas tuas costas. Seu desejo não era ter amigos, mas manipular os que estavam a sua volta para ter atendido os seus próprios desejos, todos alimentados por uma imensa inveja e complexidade.
 
Só que ter amigos não é ter fantoches. E o verbo a ser conjugado não é o ter, e sim o ser.
 
Ser amigo é saber escutar o outro, dividir segredos e dúvidas, dar conselhos sem tentar impedir que aquela pessoa viva as próprias desventuras. Ser amigo é emprestar o ombro para chorar, compartilhar gargalhadas, ou até mesmo uma pizza numa hora extra de trabalho. Ficar horas no telefone ou a tarde sentado em uma praça falando só de filme, futebol e novela.
 
Amizade verdadeira não é corroída pela inveja, e sim alimentada pelo orgulho de ver o amigo vitorioso. Não é tentar gerar fofoca para separar outros amigos, e sim saber dividir o espaço para conquistar o seu.
 
E por não respeitar estes princípios, que a criatura do início deste texto acabava sozinha. Naturalmente o caso é extremo, de alguém que precisa de tratamento. Mas não deixou de ser um exemplo, para os que estiveram próximos e se libertaram de suas amarras, do que é realmente uma amizade.

sábado, 6 de outubro de 2012

Jantar e bunker no hotel de Dijon

 
Foi no hotel de Dijon que realizei uma das melhores refeições da viagem. O jantar oferecido foi divino. A entrada era uma sopa, eu, detesto sopa, mas me obriguei a provar e simplesmente amei. O prato seguinte foi um maravilhoso salmão e para fechar o melhor tiramisu que já provei.

 
O quaro era confortável como todos os que encontramos no caminho. O único detalhe curioso era o fato do vaso sanitário ficar separado do chuveiro e da pia, em uma peça separada, sem janela, como se fosse um bunker.

 
Confesso que o local não é dos mais agradáveis, já que pelo tamanho também pode ser confundido por uma sanitária. Também não achei muito higiênico, para os esquecidos, uma ótima maneira de não lavar as mãos.

 
O café bem servido e wi-fi para os hospedes. Um lugar tranqüilo de se dormir, combinando perfeitamente com a cidade.

 

Hotel Mercure Dijon Centre Clemencea
22 Boulevard de Marne; Dijon